Sou uma observadora nata das pessoas, dos lugares, das coisas do cotidiano... Sorrio, choro, me emociono, me deixo levar pelo mar de sentimentos que a vida tem a oferecer... Às vezes chata, às vezes insuportável, mas, às vezes, uma flor de pessoa, amável e delicada. Sou uma constante inconstante.. Sempre mais do mesmo, mas o mesmo diferente a cada dia... Quando tudo parece perdido, despedaço-me e renovo-me como a natureza para sentir-me novamente forte... Sou menina moleca, mãe dedicada, mulher serena, rebelde sem causa, despida de preconceitos e pré-noções... Sou um misto de várias coisas por aí que fazem de mim, simplesmente, Aline.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quisera eu saber escrever


Quisera eu ter o dom Machadiano ou Dostoievskiano da escrita para poder externar todo o amargor pestilento absorvido pelo convívio em uma sociedade doente. 
Quisera eu aliviar-me em palavras e esquecer por um momento o quão apodrecidos estão alguns corações, que perecem entorpecidos pelo ódio e pela falta de respeito ao próximo. 
Quisera eu abster-me das angústias que consumo dessa sociedade corrupta e inescrupulosa, guiada como rebanho cego, que só aponta erros e não olha para si própria. 
Quisera eu, num momento de libertação, transcrever para um papel toda a aflição que me inflama o ser e grita por paz e menos julgamentos vazios.
Quisera eu escrever sem ser vista com estranheza, mas como um ser que tem uma alma ardente de desejo de equidade e justiça. 
Quisera eu escrever e fazer com que o outro sinta toda a súplica de uma alma que clama fervorosamente por dias mais amenos.

(Aline Teodosio)

2 comentários:

  1. Aquilo que quiseras está tão perfeitamente expressado, está tão humanamente exposto, condiz tanto com o que somos e desejamos, que não precisarás nem um pouco do dom dos escritores citados.
    O ser humano se afundou num lamaçal de egoísmo, orgulho e vazio tão grande que é difícil apontar uma saída. Não que ela não exista. É difícil, mas existe. O problema do nosso século é que as pessoas não querem sair, querem entrar mais.
    Mas, quando te lemos, percebemos que não está tudo perdido, que não há apenas um grupo, mas dois bem distintos, e que ainda é possível encontrar reciprocidade no desejo de paz e esperança, mesmo num mundo tão caótico, com um número tão grande de pessoas tão mesquinhas. Seguindo-te.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras. Temos que fazer a nossa parte, apesar das tantas coisas ruins que vemos por aí. Quem sabe, um dia, o mundo se torne um lugar melhor!
      Um abraço!

      Excluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...